quarta-feira, 15 de maio de 2013

Europa - O Caso Alemão


Europa : O Caso Alemão

Vários acordos foram feitos no pós-guerra, um deles foi o Tratado de Potsdan (julho de 1945), em que os ganhadores da guerra se reuniram para discutir o que seria feito da Alemanha vencida. Nesse castelo da periferia de Berlin, ficou acertado que a Alemanha seria dividida em 4 zonas de ocupação, que seriam ocupadas militarmente por E.U.A., França, Inglaterra e União Soviética, respectivamente. Cada tropa teria o dever de desarmar a população da sua zona, acabar com os vestígios ideológicos do nazi-facismo e promover o seu desenvolvimento para evitar-se futuros conflitos. Em 1949 essa ocupação estava encerrada. Os países ocupantes poderiam voltar com suas tropas. Mas o que se viu foi que a Alemanha estava dividida em dois sistemas ideológicos, que no meio da Guerra Fria se acirravam numa disputa cada vez mais intrincada. Em 1949 foi decretado o Bloqueio de Berlim, na porção oriental, e em 1961 era construído um muro separando as duas partes da cidade. Diante da tensão entre esses dois pedaços da Alemanha, a ONU reconhece em 1973 a existência de dois países distintos: a R.D.A. (República Democrática Alemã), com capital em Berlin Oriental; e a R.F.A. (República Federativa da Alemanha), com capital em Bonn. Estava definitivamente dividida a Alemanha. A partir de 1989 as relações entre os dois países voltam a ser intensificadas. A crise do modelo soviético de socialismo colocava em cheque um dos dois lados e abria-o para negociações e aproximação com o outro lado. Em 1990 cai o muro. Ocorre a reunificação de dois povos que nunca entenderam o porquê dessa divisão. Era uma divisão que lhes foi imposta de fora para dentro, seguia interesses que não os alemães. Com a reunificação, a forte indústria de bens de produção da antiga Alemanha Oriental foi juntada com a grande tecnologia e a saúde financeira da antiga Alemanha Ocidental, formando um país que é a terceira economia mundial.
 Vale lembrar também o "milagre alemão", quando a economia daquele país passou por um explosivo crescimento graças aos grandes investimentos feitos na geração de tecnologia e especialização da mão-de-obra através da Educação. Isso só foi possível graças aos maciços investimentos norte-americanos naquele país, vindos com o Plano Marshall, e que tinham como objetivo criar um rápido desenvolvimento na região, contrapondo-se ao lado socialista do país. Esses dólares chegam aos Konzerns e esses se tornam grandes grupos empresariais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fico muito agradecido pela sua visita.
Me perdoe não poder responder às suas perguntas.
Se gostou e quiser elogiar ou criticar positivamente, ficarei agradecido e até envaidecido.
Se não gostou, não há necessidade de expor sua ira, frustrações ou ignorância escrevendo grosserias. Simplesmente procure outro material na internet.
Forte abraço!
Prof. Miguel